Desenvolvimento Integral

2 de setembro de 2020

Uma das minhas paixões é o tema Desenvolvimento Econômico. Em minha trajetória profissional, já fui agente de desenvolvimento e, ainda muito jovem, assumi a secretaria de desenvolvimento econômico de Santa Luzia-MG, onde, na minha breve passagem por lá, tive a felicidade de levar boas empresas para aquele município, dentre elas, a Quartzolit (produtora de argamassas). Hoje, além de trabalhar com consultoria empresarial ligada à gestão, também tenho tido a oportunidade de trabalhar com programas de desenvolvimento econômico local, além de fazer palestras Brasil afora sobre este tema tão intrigante.

Infelizmente, o tema desenvolvimento econômico é do desconhecimento de muitos. Em termos de gestão pública municipal, é um tema que trabalha silencioso e no longo prazo. Costumo dizer que este tema não dá “voto”, pois, em toda campanha eleitoral, obras, saúde, segurança e educação roubam a cena. Entretanto, se um município se desenvolve economicamente, ele gera trabalho, emprego e renda, fazendo circular mais dinheiro na economia, aumentando a arrecadação de impostos que irão direto para obras, saúde, segurança e educação.

Falar de desenvolvimento econômico é falar de longo prazo, de Liberdade econômica e da criação de “ambiência” para o surgimento e manutenção de empresas. É falar de desburocratização e jamais pensar em curto prazo. Formas e fórmula para se fazer desenvolvimento existem muitas, mas, em essência, criar uma cultura e uma consciência na população que faça uma região pensar de forma desenvolvimentista, é um desafio para poucos.

Ao contrário de que muitos pensam, o verdadeiro desenvolvimento não ocorre de forma exógena (de fora para dentro) com a chegada de grandes empresas para o município, mas sim, de forma endógena, de dentro para fora, onde nós, moradores, cidadãos devemos ser os verdadeiros atores e autores do nosso próprio desenvolvimento. 

Recentemente, Rafael Lucchesi, grande amigo, excelente profissional e entusiasta dessa causa, me enviou uma mensagem me pedindo um texto que viu em uma palestra minha e que ele desejava usar em um trabalho que estava fazendo sobre desenvolvimento em Roraima. Tratava-se de um pensamento Inca encontrado no interior da Venezuela, cujo autor é desconhecido, mas que, DE FORMA BRILHANTE, DESCREVE A ESSÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO.  Ao revirar os meus arquivos, me reencontrei com o texto, de uma beleza incrível e que sempre me faz refletir, não importa o quanto o leio. Assim, resolvi dividir com vocês também. O título desse texto é “DESENVOLVIMENTO INTEGRAL”. 

DESENVOLVIMENTO INTEGRAL

“O povo que deseja um mundo melhor, primeiro deve organizar sua nação;

Os que desejam organizar sua nação, devem organizar suas famílias;

Os que desejam organizar suas famílias, ordenam suas vidas pessoais;

Os que desejam cultivar suas vidas pessoais, escutam seus corações;

Para escutá-lo, devem fazer primeiro sinceras as suas vontades;

Para fazê-lo, devem buscar primeiro a compreensão das coisas;

E isto se faz através da busca constante do conhecimento.

Quando o coração se direciona, se cultiva a vida pessoal;

Quando esta se cultiva, se regula a vida familiar;

Assim, torna-se possível organizar sua nação;

E se as nações se organizam, temos um mundo melhor.

Do presidente ao homem comum, o cultivo da vida pessoal é o cimento da vida;

É impossível uma estrutura estar em ordem sem um cimento que a suporte … como não existe uma árvore de tronco fino e galhas pesadas e fortes que suporte o primeiro vento;

Há uma causa e uma sequência para tudo nos assuntos humanos… conhecer esta procedência é o começo da sabedoria.”

(pensamento inca, recolhido no interior da Venezuela)

Como o texto fala por si só, me despeço agora desejando-lhes um bom fim de semana e uma boa reflexão com este maravilhoso texto.